Desafios do Coronavírus nas Estratégias de RM

Home   /   Desafios do Coronavírus nas Estratégias de RM

Desafios do Coronavírus nas Estratégias de RM

O impacto do novo Coronavírus na economia global tem “mutações” constantes, à medida que o número de casos e mortes confirmados aumenta e os governos e empresas de todo o mundo tomam medidas para combater a epidemia.

À medida que o impacto do COVID-19 se espalha pelo mundo, ele está a impactar o turismo no geral, desde a hotelaria às companhias aéreas, dos cruzeiros às agências de viagens, e aos operadores de turismo.

Embora o resultado final seja ainda desconhecido, é óbvio que o impacto económico será significativo.

Efeitos imediatos

Ainda no início de Fevereiro, os organizadores do Mobile World Congress, uma feira anual em Barcelona que atrai + de 100.000 participantes, cancelaram o evento e justificaram a sua decisão com o seguinte argumento, e passo a citar “Preocupação global com o surto de Coronavírus, viagens e outras circunstâncias, impossibilitando a GSMA de realizar o evento”.

A Hilton fechou cerca de 150 hotéis, cuja representatividade é de 33.000 quartos na China. O CEO e presidente da Hilton, Chris Nassetta, disse que se prevê um “impacto de 25 a 50 milhões de euros no EBITDA no acumulado a Dezembro de 2020” e uma queda de 1% no RevPAR – isto é, se o surto durar “cerca de três a seis meses, com um período adicional de recuperação de três a seis meses”.

Quase duas dúzias de companhias aéreas, incluindo American, United, Delta, Air France e British Airways, cancelaram todos os voos para a China continental e muitas estão continuamente a adiar a data em que os voos serão retomados.

A IATA relata que, com base nos dados de tráfego aéreo dos últimos anos de uma semana após o início do feriado do Ano Novo Chinês, este ano “os volumes diários de passageiros foram cerca de 40% menores em comparação com o que se previa. ”

E o setor de cruzeiros capturou grande parte da cobertura global, pois em vários casos os passageiros foram colocados em quarentena e os navios mantidos fora dos portos. Ao relatar os resultados de todo o ano de 2019, a Royal Caribbean Cruises diz: “Se essas restrições e preocupações com viagens durante o surto continuarem por um longo período de tempo, elas podem ter um impacto devastador no desempenho financeiro geral da empresa”.

A Carnival Corporation diz o mesmo: “Como resultado do Coronavírus, a empresa acredita que o impacto nas suas reservas globais e viagens canceladas terá um impacto substancial nos seus resultados financeiros, o que não foi previsto nas orientações de ganhos anteriores da empresa para 2020”.

Soluções estratégicas

Do ponto de vista do RM, incluindo preços e previsões, o Coronavírus é um enorme desafio para a indústria do turismo – afetando tanto a relevância dos dados históricos, a capacidade de prever o futuro e a necessidade de tratar de cancelamentos no presente.

Na China verificaram-se aumentos de 29% nos cancelamentos de estadias em hotéis para o mês de Janeiro em comparação a 2019 e um declínio de 75% nos quartos reservados em janeiro para estadias em fevereiro, março e abril. E o impacto é notório a nível global.

Numa análise conjunta com a Climber RMS, notámos que em Portugal o impacto de 1 a 19 de Março e cujo reflexo se fez sentir até final de 2020, foi de uma quebra de 60% nas receitas da hotelaria, 38.6% no aumento de cancelamentos e de quebra de 28.4% ao nível da ocupação.

Uma estratégia que não recomendamos é baixar preços drasticamente, pois pode levar meses ou até anos para retornar aos preços pré-crise, uma vez que a procura vá retomando. A procura simplesmente não existe. As pessoas não viajam para uma região se acharem que há risco, mesmo que o preço seja muito atrativo, procuram segurança e flexibilidade .

Foco nos mercados domésticos que deverão voltar a ganhar confiança, ainda que moderadamente, e definir campanhas para os meses de verão.

Devido ao aumento de restrições de viagens aéreas dos mercados do TOP 10 nacional, devemos garantir a máxima exposição ao mercado interno, concentrando mais orçamento e direcionando as ações de E-Commerce, nomeadamente campanhas de “metasearch” e de “re-tarketing”, nas quais ainda existe um público estabelecido com forte intenção de reservar.

Os clientes não procuram necessariamente preço neste momento, mas sim flexibilidade e segurança, portanto considere não utilizar tarifas não reembolsáveis, considere alterar as políticas de penalização para cancelamentos e considere uma estratégia de preços realista face ao seu mercado concorrencial.

Considere permitir que os clientes alterem as suas reservas para uma nova data, caso desejem – tranquilizando também novos clientes. Faça da palavra “flexibilidade” uma de suas principais mensagens de Marketing e tente inclusive alterar o nome da tarifa BAR para Super Flexível. Passe uma mensagem clara de segurança aos clientes e destaque as ações em vigor, por exemplo limpeza constante com desinfetantes e tantas outras medidas que as entidades oficiais recomendaram.

Partilhe o artigo nas suas Redes Sociais ou envie diretamente a um amigo!